Dezembro Vermelho: prevenção contra AIDS deve ser contínua

dezembro-vermelho-prevencao-contra-aids-deve-ser-continua (2)

Celebrado no dia 1º de dezembro, o Dia Mundial de Combate à AIDS vem nos lembrar da importância da prevenção contínua e do respeito pelas pessoas portadoras do HIV/AIDS. A data também inicia o Dezembro Vermelho, campanha do Ministério da Saúde para a conscientização sobre o HIV e a AIDS.

Independente da idade ou sexo, todos precisam se prevenir, adotando uma conduta de sexo seguro, entre outras medidas. Leia mais detalhes nessa matéria.

Como surgiu Dezembro Vermelho?

A campanha nacional foi instituída através da Lei 13.504, e 2017, e traz a prevenção ao HIV/AIDS e outras infecções sexualmente transmissíveis. O foco do Dezembro Vermelho está na prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas que vivem com HIV/AIDS. 

São realizadas, ao longo do mês de dezembro, atividades e mobilizações tais como iluminação de prédios públicos com luzes na cor vermelha; veiculação de campanhas de mídia; palestras e atividades educativas; e promoção de eventos. 

O que é AIDS?

A AIDS é a doença causada pela infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV é a sigla em inglês). Esse vírus ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. O vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

O que é HIV?

O HIV é um retrovírus, classificado na subfamília dos Lentiviridae e é uma Infecção Sexualmente Transmissível. Esses vírus compartilham algumas propriedades comuns, como por exemplo:

  • Período de incubação prolongado antes do surgimento dos sintomas da doença;
  • Infecção das células do sangue e do sistema nervoso;
  • Supressão do sistema imune.

Estatísticas sobre a AIDS/HIV

Até o fim do ano de 2018, estatísticas apontaram que cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com HIV, sendo entre elas 1,7 milhão de crianças (menores de 15 anos). Destas, 24,5 milhões de pessoas com acesso à terapia antirretroviral.

Graças às campanhas de prevenção e a conscientização particular de cada um, novas infecções por HIV foram reduzidas em 40% desde o pico em 1997 e as mortes relacionadas à AIDS foram reduzidas em mais de 55% desde o pico em 2004. Porém, já eram esperadas 1,7 milhão de novas infecções por HIV até o fim de 2018, o que reforça a necessidade contínua de prevenção.

Como ocorre a transmissão da AIDS /HIV?

É muito importante estar ciente de como ocorre a transmissão do vírus, tendo a consciência de que pode acontecer em qualquer idade e sexo. A transmissão do HIV e, por consequência da AIDS, acontece das seguintes formas:

  • Sexo vaginal sem camisinha;
  • Sexo anal sem camisinha;
  • Sexo oral sem camisinha;
  • Uso de seringa por mais de uma pessoa;
  • Transfusão de sangue contaminado;
  • Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação;
  • Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados;

Quais os sintomas da AIDS/HIV?

O sistema imunológico começa a ser atacado quando ocorre a infecção pelo vírus do HIV, causador da AIDS. Os primeiros sintomas são semelhantes à gripe, com febre, dor de garganta e fadiga. Com a evolução da doença e a manifestação da AIDS podem surgir os seguintes sintomas:

  • Febre persistente;
  • Tosse seca prolongada e garganta arranhada;
  • Suores noturnos;
  • Inchaço dos gânglios linfáticos durante mais de 3 meses;
  • Dor de cabeça e dificuldade de concentração;
  • Dor nos músculos e nas articulações;
  • Cansaço, fadiga e perda de energia;
  • Rápida perda de peso;
  • Candidíase oral ou genital que não passa;
  • Diarreia por mais de 1 mês, náusea e vômitos;
  • Manchas avermelhadas e pequenas bolinhas vermelhas ou feridas na pele.

Mitos sobre a AIDS

Durante os anos, muitos mitos e tabus surgiram sobre a AIDS e o HIV, tornando-se preconceito e afetando de maneira muito negativa as pessoas que já convivem com a doença. É preciso esclarecer esses mitos e entender que a doença NÃO É transmitida dessas formas:

  • Sexo, desde que se use corretamente a camisinha;
  • Masturbação a dois;
  • Beijo no rosto ou na boca;
  • Suor e lágrima;
  • Picada de inseto;
  • Aperto de mão ou abraço;
  • Sabonete/toalha/lençóis;
  • Talheres/copos;
  • Assento de ônibus;
  • Piscina;
  • Banheiro;
  • Doação de sangue;
  • Pelo ar.

Tratamento da AIDS/HIV

Apesar de não ter cura, a AIDS pode ser controlada através de tratamento, trazendo qualidade de vida para pessoas portadoras da doença. Os medicamentos antirretrovirais (ARV), por exemplo, foram criados para evitar o enfraquecimento do sistema imunológico.

“Por isso, o uso regular dos ARV é fundamental para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV e reduzir o número de internações e infecções por doenças oportunistas”, explica o Ministério da Saúde.

Desde 1996, o Brasil distribui gratuitamente os ARV a todas as pessoas vivendo com HIV que necessitam de tratamento. Em caso de suspeitas, procure um médico o quanto antes.

Fontes: Ministério da Saúde, Tua Saúde, UNAIDS

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *