Quando é preciso realizar a mastectomia preventiva?

quando-e-preciso-realizar-a-mastectomia-preventiva

O câncer é uma doença silenciosa e perigosa que assusta muitas pessoas. Há muitas campanhas de conscientização sobre a prevenção, afinal diagnosticá-la cedo é imprescindível para que o tratamento seja mais eficaz. Mas quando a prevenção deve se tornar mais radical?

Em 2013, a atriz Angelina Jolie anunciou ter passado por uma mastectomia preventiva dupla, ou seja: ela retirou o tecido mamário dos seios como forma de prevenir o câncer de mama. Segundo um teste genético, ela tinha 87% de chances de desenvolver câncer assim como sua mãe, que faleceu aos 56 anos após um tratamento extensivo de quase uma década.

O caso de Angelina abriu a discussão e levou muitas mulheres a se questionarem a respeito do tema. Será que você precisa fazer um procedimento como esse?

A mastectomia é uma cirurgia grande em que a paciente leva de 2 a 3 meses para se recuperar completamente. Na cirurgia preventiva é necessário o uso de várias técnicas para que seja possível fazer a reconstrução, já que a questão estética é muito importante. Por isso, a mastectomia preventiva deve ser indicada com muita cautela.

Teste genético identifica mutações que podem causar o câncer

 

Em um mundo ideal, todas as mulheres deveriam passar por um exame específico para a análise de mutações genéticas, assim como Angelina Jolie. Por meio de uma amostra de sangue é possível detectar mutações no gene BRCA1, que é diretamente ligado à produção de proteínas que previnem o crescimento descontrolado de células evitando o desenvolvimento de tumores. Por isso esse gene é diretamente ligado ao risco da paciente desenvolver câncer de mama e de ovário, e alguma anormalidade poderia indicar maiores chances de desenvolvimento da doença. Porém o custo para realização desse exame ainda é muito alto, e a indicação é para mulheres que já estejam no grupo de risco.

Afinal, que mutações genéticas são essas?

 

Os genes BRCA1 e BRCA2 pertencem à classe de genes conhecidos como supressores de tumor. Ou seja, quando são normais eles ajudam a garantir a estabilidade do DNA e impedir o crescimento descontrolado das células. Quando sofrem mutações, eles podem não desempenham direito o seu papel e o risco do desenvolvimento de neoplasias é muito maior.

Cerca de 5% a 10% dos casos de câncer têm tumores causados por erros genéticos, e apenas 0,2% da população apresenta mutação nos genes BRCA1 e BRCA2. É uma parcela muito pequena, mas quando a mulher é portadora dessas mutações a chance de desenvolver câncer de mama ou de ovário são muito grandes: entre 60% e 80%. Nesses casos as medidas de prevenção mais radicais são indicadas, e entre elas está a mastectomia preventiva.

Quem deve fazer a mastectomia preventiva?

 

Se você tem histórico de câncer de mama da família, ou já desconfiou de nódulos em exames anteriores, é indicado que seja feita uma investigação mais profunda. Os resultados dos exames de Angelina Jolie mostravam que ela tinha 87% de chances de desenvolver o câncer, e somando-se ao seu histórico familiar ela não teve mais dúvidas a respeito do procedimento. Em seu artigo publicado no The New York Times, ela disse:

“Minha mãe lutou contra o câncer por quase uma década e morreu aos 56 anos. Ela conseguiu conhecer seu primeiro neto e segurá-lo em seus braços. Mas meus outros filhos nunca terão a chance de conhecê-la e sentir o quanto ela era amorosa e graciosa. Muitas vezes nós comentamos sobre a ‘mamãe da mamãe’, e eu me encontro tentando explicar sobre a doença que a levou embora. Eles perguntavam se a mesma coisa poderia acontecer comigo. Eu sempre disse a eles para não se preocuparem, mas a verdade é que eu carrego uma mutação genética que aumenta muito o meu risco de desenvolver câncer de mama e de ovário. Quando eu soube que essa era a minha realidade, eu decidi ser proativa e minimizar o risco tanto quanto eu pudesse. Eu tomei a decisão de fazer uma mastectomia preventiva dupla. Estou escrevendo sobre isso agora porque espero que outras mulheres possam se beneficiar da minha experiência. Câncer ainda é uma palavra que causa medo no coração das pessoas, e produz uma profunda sensação de impotência. Mas hoje é possível descobrir se você é altamente suscetível ao câncer de mama e de ovário, e tomar providências a respeito”, “My Medical Choice” por Angelina Jolie, NY Times 2013.

Qual o primeiro passo?

 

Então você tem histórico familiar e já identificou nódulos nos seus exames anteriores, então acredita que precisa fazer a cirurgia. Mas vamos com calma: prevenir um possível câncer com um procedimento cirúrgico é uma decisão muito séria e delicada, e deve ser feita com orientação médica e psicológica. Afinal os seios estão diretamente ligados à feminilidade, e o fator estético deve ser levado em consideração.

Primeiramente você deve procurar o seu médico e fazer os seus exames de rotina. A mamografia e os exames complementares como o ultrassom são de extrema importância.

Você encontra profissionais capacitados e toda a infraestrutura necessária no Centro Médico São Camilo. Marque uma consulta com um mastologista, converse sobre o seu histórico familiar e decidam fazer o teste genético juntos.

“Eu escolho não manter minha história privada porque há muitas mulheres que não sabem que podem estar vivendo sob a sombra do câncer. Eu espero que elas também possam fazer o exame genético, e se tiverem um alto risco também, saibam que elas têm escolha. A vida vem com muitos desafios. Aqueles que não devem nos assustar são aqueles que podemos assumir e controlar”, completou Angelina Jolie.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *